Paróquia


Histórico

A Paróquia de Santo Antônio da Platina foi criada por Dom Fernando Taddei , 1º Bispo de Jacarezinho, aos 8 de abril de 1928, e entregue aos Frades Capuchinhos, com o primeiro Pároco Frei Angélico de Ênego, que aqui trabalhou até janeiro de 1933, tendo como coadjutor o Frei Belino de Treviso . Pertencente à Diocese de Jacarezinho que , por sua vez, foi desmembrada da de Curitiba, em maio de 1926, recebendo por 1º Dom Fernando Taddei que dirigiu a nova Diocese durante treze anos, falecendo em 1940, seu sucessor foi Dom Ernesto de Paula.

Frei Angélico, logo no início de seu paroquiato, requereu Missões Capuchinhas para sua Paróquia, pregadas pelos Padres Frei Modesto de Rezende e Visto de Martignano: na tarde do dia 4 de outubro de 1928, um cortejo de cem cavaleiros , acompanhados pelo Vigário, foram encontrar os Missionários na subida do Palmital e vieram, em grande romaria, para a Praça Nossa Senhora Aparecida, e ali deu-se o início da jornada missionária de quinze adias, que culminou com a procissão do Cruzeiro, que a multidão em festa carregou para o quarteirão da Igreja Matriz e erguido, com a bênção dos Missionários e a exultação do povo de Deus!

Em 12 de Fevereiro de 1933, Frei Angélico despediu-se da Paróquia e seguiu para a Itália, morrendo em Veneza, vinte e oito anos depois (1961)

 

A Igreja Matriz: Sua Construção

 

O Prefeito Sr. Joaquim Cardoso da Silveira, por volta de 1928, promoveu a doação do terreno em que se encontra hoje a Matriz, o quarteirão era propriedade de Joaquim Rodrigues do Prado, cujo nome está gravado na rua que passa pelo poente desse quarteirão.

A primitiva igreja era de um só corpo, feita de meio tijolo e coberta com telha comum, tendo ao lado uma pequena casa de madeira, que fora utilizada como habitação dos Padre , e ao redor dessa primeira igreja, construiu-se a Matriz atual, ampla e bela arquitetura de puro estilo românico, da qual a primeira pedra foi transportada em carro de bois, por Manuel Gonçalves Pedreiro, membro de uma família que veio para cá em 1895, a pedra fundamental foi lançada no dia 13 de junho de 1929, e recebeu bênção do Sr. Bispo Dom Fernando Taddei.

Sob a direção de Lourenço de Cesário, iniciaram-se os trabalhos da construção do novo Templo, e desde o começo, até o final da obra, participaram muitos pedreiros, como Manuel Bugalho, Geraldo Alves Calheiros, Carlos Cimatti e seu filho Antônio.

As pedras para as bases foram doadas por Joaquim Gonçalves da Cunha França e Abraão Dutra, e os trabalhos contaram sempre com a participação do Frei Angélico, que por sua vez, usava a picareta, abrindo as valetas da fundação, enquanto o Frei Samuel , bom cozinheiro, preparava as refeições para os trabalhadores, para erguer as paredes, já em 1929, foram convocados os Srs. João e Hércules de Mío, de Curitiba.

Faz-se uma concorrência para aquisição de tijolos, num montante de trinta milheiros: venceu–a o Sr. Joaquim Pereira de Castro . A Comissão era formada por Pedro Rodrigues de Oliveira, Joaquim Cardoso da Silveira, Olímpio de Sá Sotomaior.

O restante dos tijolos veio das olarias Luís Giovannetti, Boaventura Gomes, Romão Lomba, Joaquim Camilo, Augusto Simões e João Fernandes da Silva.

A Areia foi fornecida por Dona Brandina Brizola Veado e Luís Giovannetti. A Cal vinha por estrada de ferro, de Tamandaré e de Colombo, aos cuidados do Sr. Pedro Levatti. Os andaimes eram feitos com madeiras doadas pela famílias Pereira Machado, e, as toras foram transportadas em carroções, pelo Sr. Mário Ramos , e serradas por Estácio Ramos. Vieram também madeiras de  Ribeirão Bonito, fornecidas por João Cirilo, e da Serraria dos Irmãos Fernandes.

A cobertura da igreja deu-se em 1933, sob a orientação do Frei Angélico, que , tendo que viajar, quis deixar a obra em fase de acabamento . Toda a população se movimentou, doando calhas, bancos, janelas, e outros inúmeros apetrechos. Os pedreiros que mais trabalharam ali, foram Lourenço Cesário, Sebastião Coelho, Jorge Thomaz, Orestes Cimatti , Geraldo Alves Calheiros, José Bugalho, Francisco José de Mello, Fiore Trevisan, Jorge Filisbino de Godoy ( da família dos Binos vinda para cá em 1896), e outros…

A Igreja já matriz ia aos poucos se erguendo, o primeiro altar foi feito pelo Frei Leonardo de Fellete, Vigário, excelente carpinteiro. A imagem do Padroeiro , Santo Antônio de Pádua , foi doação de Pedro Rodrigues de Oliveira . As torres fizeram-se mais tarde, sendo inauguradas em 1955, pelo Frei Guilherme , nessa obra esmeraram-se os Srs. Geraldo Calheiros e Jorge Thomaz. Os cinco sinos, que bimbalham nas duas torres, vieram da Itália, por empenho de Frei Guilherme e do Sr. Abilion de Souza Naves ( Diretor da Carteira Agrícola e Industrial do Banco do Brasil) , conseguiram liberar os sinos, sem ônus fiscais e alfandegários. Os sinos, com cerca de três toneladas,, foram transportados gratuitamente, para esta cidade, pelo Sr. Geraldo Cavalheiros (ou Calheiros) que também cuidou de instalá-los sobre as torres.

O  2º Vigário desta Paróquia, Frei Ricardo de Vescovana, antes coadjutor de Frei Angélico, continuou assiduamente os trabalhos da igreja,, tanto na alçada material quanto na espiritual, instruído , pregando, revitalizando as associações , entre estas, o Apostolado da Oração (que vem de 1916), e atendendo as confissões . Regeu a Paróquia de 1933  à 1936. Confiou o Colégio Santa Terezinha as Irmãs Franciscanas Missionárias do Egito, que aqui chegaram em 5 de janeiro de 1934, e foram muito bem acolhidas pelo povo platinense.

Houve também Missões no Vicariato de Frei Ricardo , começaram pela fazenda Nomura (posteriormente São Cornélio ), em 27 de fevereiro de 1935 ( os Missionários Freis Vital de Piracicaba , Henrique de Treviso e Constantino de Curitiba ) , seguiram para o Lajeado ( atual Abatiá ) , Jundiaí , Araras , Estação da Platina , Pedra Branca, e finalmente ,a sede Paroquial ( em 1º de março ) , o grande encerramento , em procissão , deu-se no Colégio Santa Terezinha.

Veio em Seguida , como Pároco o Frei Henrique , por apenas um ano, sucedido pelo Frei Leonardo, até 1939.

O 5º Vigário foi o Frei Inácio de Ribeirão Preto , assumiu a Paróquia aos 10 de setembro de 1939 à 1949 , ano em que tornou Bispo Auxiliar de Joinvile , sendo em 1952 transferido para Guaxupé Minas Gerais .

Este Vigário marcou sua gestão com importantes obras ex.: Colégio Santa Terezinha , nova Casa Canônicas , a Casa das Irmandades, e o prosseguimento das obras da Martiz . E graças a ele , foram chamadas para tomar posse do novo Colégio Santa Terezinha as Irmãs Franciscanas do Egito , que prestaram relevantes serviços até 1947, quando foram substituídas pelas Irmãs da Sagrada Família, com a Superiora Irmã Matilde.

 

Jubileu Sacerdotal do Frei Inácio de Ribeirão Preto, (Frei Inácio Dal Monte)

Dia 5 de abril de 1946 após brilhante preparação da Comunidade de Santo Antônio da Platina , deu – se a celebração do Jubileu Sacerdotal do Pároco Frei Inácio de Ribeirão Preto , 25 anos de Sacerdócio.

A Semana Eucarística preparatória foi dirigida pelo Padre Nicolau Flue Gut, Vigário de Santa Bárbara  do Rio Pardo.

Vieram muitos representantes de 17 cidades do norte paranaense, das quais os Frades Capuchinhos foram o primeiros evangelizadores.

Às 10 horas, o Frei Inácio celebrou a Missa cantada, com assistência pontifical do Sr. Bispo Dom Geraldo Proença Sigaud, que dirigiu elogiosa a locução ao Padre jubilado e ao sacerdócio católico.

Á tarde, deu-se a grandiosa Procissão Eucarística, em desfile até à frente do Hospital Nossa Senhora da Saúde, onde todos receberam a bênção do Santíssimo.

Consumaram-se as celebrações jubilares, à noite, em magna sessão na Sede das Associações Religiosas ( Casa das Irmandades ), onde entre recitativos cânticos e músicas, a platéia aplaudiu entusiasticamente a         “ Venerabilis barba Capucinorum ’’ , cantada com vigor pelo coral dos Frei Capuchinhos, sob a batuta do Frei Gabriel Ângelo !

 

Frei Inácio dal Monte nomeado Bispo

 

O dia 26 de maio de 1946, uma data única na História Religiosa da Paróquia de Santo Antônio da Platina , a sagração episcopal de Dom Inácio de Ribeirão Preto , feito Bispo Auxiliar de Joinvile e Titular de Agbia.

Em presença de Dom Pio Freitas ( de Joinvile ) e Dom Geraldo de Proença Sigaud , o Padre Frei Inácio foi sagrado Bispo, pelo Núncio Apostólico no Brasil, Dom Carlos Chiarlo. A Missa Pontifical da sagração, cantada por grupo de estudantes Capuchinhos de Curitiba, começou às 08:30 horas.

Foram paraninfos da cerimônia o Governador  Moysés Lupion ( do Paraná) e do Deputado Estadual Dr. Hélio Setti, representando o Governador de Santa Catarina.

Aos 29 do mesmo mês , Dom Frei Inácio celebrou a sua primeira Missa Pontifical , na Igreja Matriz, às 10 horas, e no dia 31 despediu-se de Santo Antônio da Platina , uma comitiva chefiada pelo prefeito Sr. Odilon Claro de Oliveira , acompanhou-o até Ourinhos.

Tendo ido o novo Bispo Capuchinho assumir a seu múnus episcopal , ficou em seu lugar o Frei Henrique de Treviso , que assumiu pela segunda vez como Vigário ( 1949 ), interessando-se muito pelas capelas, especialmente Abatiá, Jundiaí do Sul e Ribeirão do Pinhal, vilas antes distritais de Santo Antônio da Platina ( até outubro de 1947 ), as quais já estavam provisionadas desde 1936 .

 

Foi no primeiro Vicariato do Frei Henrique João Francisco da Veiga doou terreno pare se erguer a Capela de Jundiaí do Sul …

Em 26 de maio de 1952, chegou a nossa Cidade o Fr. Guilherme de Magredis, 7º Vigário,que aqui permaneceu até 1967 : – incentivou as obras sociais e construiu o Asilo São Francisco de Assis… Em vista de seu dinamismo e admirável dedicação,o Frei Guilherme tem seu nome ligado a uma das principais vias publicas da Cidade, longa de mais de 1.300 metros,que avança para o leste e alcança a Rodovia Federal Br.l53 …

O 8º Vigário, Frei Patrício de Nebola, chegou a Santo Antônio aos 29 de janeiro de 1967,e aqui ficou somente por um ano, sendo sucedido por Frei Cristóvão de Capinzal, que assumiu em fevereiro de 1968,e não chegou a três anos de Vicariato; pois, vitimado pelo câncer,faleceu aos 14 de janeiro de 1971,no Hospital Nossa Senhora da Saúde

O 10º  Vigário, Frei João Estevão Costa, tomou posse aos 20 de janeiro de 1971,e se tornou Diretor do Secretariado Diocesano de Cursilhos…Construiu algumas capelas, no interior e na Vila Ribeiro; idealizou,corno Membro da Comissão de Obras,a Casa de Encontros “Dom Pedro Filipak, numa área de aproximadamente 2.500 metros quadrados, margem oeste da Br.-153… Também colhido pelo câncer, o laborioso Frei João findou seus dias aos 28 de fevereiro de 1980; foi o terceiro Pároco falecido nesta Cidade : — os três (Henrique Cristovão e João estão sepultados na Capela de Nossa Senhora da Saúde, dentro da Igreja Matriz…

Os sucessores do Frei João Frei Destefani 1980-85, Frei Augustinho Kunhen ( 1985-88), e Frei Jaime Manfrin, a partir de 1988…

Além do impulso dado a todo tipo de Pastoral da Paróquia e do inegável zelo pela vida espiritual dos isso o Frei Jaime conta com notável cenário de realizações de grande alcance: entre os seus trabalhos, o acabamento do Salão Paroquial, o “Lar Jesus Adolescente, para acolhimento e amparo aos menores pobres; a construção de vários capelas : no Setor Altwater ( recém-inaugurada e consagrada por Dom Conrado Walter (1991,Jardim do Sol e Setor Santa Cruz, Vitória Regia, etc., todas já aptas para as Missões de 1993